Como o médico faz um diagnóstico de disfunção erétil?

A disfunção erétil não é uma doença separada. Pelo contrário, eles são considerados um sintoma que requer reconhecimento da causa subjacente. Atualmente, a visão predominante é que em quase 80% dos casos a causa primária está relacionada a fatores orgânicos (mais frequentemente associados ao sistema circulatório) e em 20% a fatores psicogênicos.

Os fatores psicológicos secundários, ou seja, uma reação ao problema emergente, parecem desempenhar um papel na maioria dos homens, independentemente da causa primária, e, portanto, requerem consideração no diagnóstico e tratamento abrangentes da disfunção erétil.

Como a disfunção erétil pode ser um sintoma de muitas doenças graves ou ter os mesmos fatores de risco, seu diagnóstico e tratamento adequados são muito importantes não apenas para a qualidade de vida sexual de um homem e um casal, mas também para a saúde geral de uma pessoa.

O diagnóstico é feito por um médico com base nos seguintes testes para identificar as causas subjacentes da disfunção erétil:

  • uma entrevista detalhada com o paciente e seu parceiro,
  • pesquisas usando métodos e escalas de questionário,
  • testes bioquímicos e hormonais realizados em amostras de sangue,
  • exame urológico, às vezes também neurológico e medicina interna,
  • métodos de aparelhos (exame ultrassonográfico de vasos penianos, aparelhos para medir ereções noturnas).

A entrevista deve levar em consideração os fatores mencionados, que são causas potenciais ou aumentam o risco de distúrbios, bem como a presença de ereções noturnas e matinais do membro – a presença delas sugere a participação de fatores psicogênicos.

Os questionários e escalas mais usados ​​são:

  • questionário para avaliação da vida sexual masculina (IIEF-5),
  • escala de dureza dos membros.

Entre os testes bioquímicos e hormonais são realizados (a escolha dependerá do médico, dependendo dos dados da história, presença de outros sintomas, resultados anteriores):

  • hemograma
  • níveis de açúcar e lipídios (lipidograma),
  • testes de fígado
  • ionograma, uréia e creatinina,
  • concentração de hormônio tireoidiano (TSH, fT3, fT4),
  • concentração total e livre de testosterona,
  • SHGB (globulina de ligação ao hormônio esteróide),
  • LH, FSH,
  • PRL (prolactina),
  • Antígeno prostático específico (PSA).
  • Os exames médicos podem incluir:
  • medição da pressão arterial
  • por exame do reto (através do ânus),
  • palpação do pênis e testículos,
  • USG de vasos penianos, testículos, pelve,
  • exame dos reflexos nervosos,
  • exame geral (ausculta, exame de toque).

Quais são os tratamentos?

Esses métodos são discutidos em mais detalhes nas seções dedicadas aos métodos farmacológicos e psicológicos de tratamento de distúrbios sexuais.

Entre os métodos farmacológicos, o médico pode propor:
Tratamento farmacológico oral:

  • inibidores seletivos e reversíveis da fosfodiesterase tipo 5 (PDE 5),
    • sildenafil,
    • vardenafil,
    • tadalafil
  • outros medicamentos orais selecionados dependendo da avaliação dos mecanismos de formação de distúrbios:
    • trazodona,
    • bupropiona,
    • apomorfina,
    • testosterona,
    • bromocriptina,
    • ioimbina,

Tratamento medicamentoso – na forma de injeções nos corpos cavernosos do membro (injeções):

  • alprostadil (prostaglandina E1),

Aparelho de vácuo.

Tratamento cirúrgico:

  • prótese membro,
  • embarcações dos membros compensadores.

Fisioterapia – exercícios musculares do assoalho pélvico.

Métodos psicológicos:

  • educação sexual e aconselhamento sexual,
  • métodos comportamentais e de treinamento:
    • foco em sensações sensuais,
    • treinamento de habilidades sexuais,
    • treinamento em comunicação,
    • dessensibilização sistemática,
    • outra.

    Psicoterapia individual:

    • objetivos diferentes, baseados em diferentes escolas de terapia e diferentes seleção de intervenções,
    • terapia psicossexual.

    Terapia a vapor:

    • psicoterapia de parceiro / casamento,
    • terapia sexual.

    É possível curar completamente?

    A possibilidade de recuperação completa depende da causa. A eficácia dos medicamentos orais para a disfunção erétil é muito alta. Em pacientes com dano vascular grave, diabetes avançado, dano no tecido peniano e naqueles com hipoxexistência testicular na secreção de testosterona, a eficácia dos medicamentos orais é menor. O motivo também pode ser a ingestão incorreta de medicamentos orais. Da mesma forma, bons resultados são alcançados após a injeção nos corpos cavernosos de um membro ou aparelho de vácuo. Esses métodos podem ser eficazes e indicados em alguns pacientes que não respondem aos medicamentos orais ou não podem usá-los. Os métodos psicoterapêuticos e de treinamento mostram boa eficácia nos casos, em que o problema apareceu em algum momento do funcionamento sexual (não se aplica, por exemplo, a toda a vida), os parceiros têm um bom vínculo, o desejo mútuo e a boa saúde geral estão presentes. Muitas vezes, é apropriado combinar métodos farmacológicos e psicoterapêuticos.

    O que você precisa fazer após o tratamento?

    Após a conclusão do tratamento principal (resolução dos sintomas, diminuição da gravidade), o tratamento adicional, por exemplo, continuação da farmacoterapia e / ou psicoterapia, é determinado pelo médico. O paciente deve tomar ações preventivas, conforme descrito abaixo. Se a causa raiz do distúrbio (psicológica ou de saúde) não tiver sido removida, o problema poderá ocorrer novamente. Às vezes, não é possível remover a causa, por exemplo, danos permanentes aos vasos ou nervos devido a cirurgia, aterosclerose grave ou diabetes grave.

    O que fazer para evitar ficar doente?

    A disfunção erétil não é uma doença independente, é considerada um sintoma de outras doenças ou condições subjacentes. A prevenção de doenças consistirá, portanto, na prevenção das doenças mais comuns que podem ser sua causa e na eliminação de fatores de risco, principalmente relacionados ao estilo de vida, sobre os quais temos maior impacto. A maneira de comer será importante, de preferência usando o chamado Dieta mediterrânea, com muitos vegetais, cereais, peixe e uma pequena quantidade de gorduras animais e carne vermelha. Atividades regulares, preferencialmente diárias, ao ar livre, deixar de beber quantidades excessivas de álcool, eliminar completamente o cigarro, não usar drogas e medicamentos farmacológicos desnecessários não coordenados por um médico devem ser recomendados.

    Também será importante verificar periodicamente sua saúde, levando em consideração, acima de tudo, problemas comuns: controle da pressão arterial, controle da glicemia (açúcar), determinação do colesterol (o chamado lipidograma).

0 comments:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *